Conselho Estratégico

A Cooperativa através dos Conselhos de Administração, Conselho Fiscal e Comitês Setoriais, de forma consultiva, dentro de seus conjuntos de normas, tem a intenção de promover a doutrina cooperativista. Desta forma, são realizadas eleições, que acontecem durante as Assembleias Gerais Ordinárias e a votação é feita pelo quadro societário. Os líderes têm objetivo específico de tratar sobre assuntos e atividades sociais, econômicas e financeiras da organização, na condição de órgão de apoio, promovendo a Cooperativa e o cooperativismo.

Conselho de Administração

Compete ao Conselho de Administração dentro dos limites da lei do Estatuto Social da Cooperativa, atendidas as decisões e recomendações da Assembleia Geral Ordinária, tomar todas as decisões necessárias à sociedade, que não sejam de exclusiva responsabilidade da própria assembleia, atribuições essas que lhe sejam conferidas por lei ou pelo estatuto social. (estatuto seção I - Art 46).

Conselho Fiscal

Compete ao Conselho Fiscal exercer assídua fiscalização sobre as operações, atividades e serviços da Cooperativa.

Art. 59 - O Conselho Fiscal é constituído por 3 (três) membros efetivos e 3 (três) suplentes, qualquer destes para substituir qualquer daqueles, todos associados, eleitos pela Assembleia Geral, para mandato de igual período estipulado na Legislação Cooperativista vigente, sendo permitido a reeleição, para o período imediato, de apenas 1/3 (um terço) de seus integrantes.
Art. 62 - Compete ao Conselho Fiscal exercer assídua fiscalização sobre as operações, atividades e serviços da Cooperativa, cabendo-lhe entre outras, as seguintes atribuições:
a) Examinar os livros e documentos da Cooperativa;
b) Informar ao Conselho de Administração sobre as conclusões de seu trabalho, denunciando as infrações legais e estatutárias constatadas.
c) Atendida a condição disposta no § 1º do artigo 28 deste Estatuto, e se ocorrem motivos graves e urgentes, convocar Assembleia Geral, comunicando, se necessário, às autoridades competentes.
d) Emitir e apresentar à Assembleia Geral o parecer sobre as demonstrações contábeis da Cooperativa.
e) Elaborar o seu Regimento Interno.
 

§ 2º - Outras atribuições do Conselho Fiscal, bem como o detalhamento das previstas no Estatuto Social, deverão constar do Regimento Interno do Conselho Fiscal e nortear-se pelo disposto na Resolução n.º 005/2002, de 15-4-2002, da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), em seu artigo 13. (Estatuto Social AGE 21-08-2013).

Diretoria Executiva

Constituída por 3 (três) membros efetivos, com os títulos: Diretor Presidente, Diretor Vice-Presidente e Diretor Secretário, cabendo-lhes a tomada de decisão sobre todos os assuntos correspondentes aos itens que compõem o seu perfil de atribuições, a seguir enunciado, bem como sobre todos os demais assuntos que por sua natureza, mesmo que não constantes desse perfil, mantiverem similaridade de conteúdo ou equivalente relevância.

A Diretoria Executiva exercerá suas funções, especialmente as voltadas à Gestão a Nível Empresarial, com o auxílio do Colegiado Gerencial, que, a rigor suas decisões serão tomadas, em princípio, por “atos em reunião”, as quais, nos termos da Lei, serão coordenadas pelo seu Presidente. § 1º - Sendo a Diretoria Executiva um organismo deliberativo e decisório, caberá igualmente o poder de dar origem a quaisquer atos administrativos necessários à implementação de suas deliberações e decisões, atribuídas por natureza à Presidência a responsabilidade de expedi-los em nome do Conselho e da Diretoria. (Estatuto Social – seção II - art. 48 e art. 50).

Diretor Executivo

Com objetivo de dirigir a organização de acordo com os valores da Castrolanda, Seung Hyun Lee lidera as operações na busca por resultados. O Diretor Executivo é responsável por formular e implementar planos estratégicos, viabilizar oportunidades no mercado interno e externo, bem como, orientar as lideranças responsáveis por todas as unidades de negócios e indústrias. Entre suas responsabilidades está a tomada imediata de decisões para  garantir crescimento sustentável e com segurança da cooperativa.

Controller

Tem o objetivo de fortalecer a Governança Corporativa, evitar a centralização do poder e permitir ao Diretor Executivo foco nas operações e nos resultados dos negócios. O Controller é responsável pelo gerenciamento das áreas de Controladoria, Assessoria Jurídica, Controles Internos, Compliance, Auditoria Interna, Estratégia, Processos, Projetos e Inteligência Competitiva. É responsável por definir políticas e metodologias para gestão de riscos corporativos, planejar e estabelecer os planos de auditorias interna e externa, determinar o modelo orçamentário e consolidar o orçamento de OPEX e CAPEX, além de analisar e acompanhar os indicadores financeiros do mapa estratégico corporativo.  

Comitê de Crédito

O Comitê de Crédito tem por objetivo avaliar as solicitações de crédito e financiamentos, dar parecer sobre a situação econômica e financeira do Cooperado solicitante, deliberar crédito dentro do seu limite de alçada, propor à Diretoria as possibilidades de liberações dentro da capacidade de pagamento do Cooperado, da sua viabilidade econômica/financeira e ainda considerando a sua fidelidade para com a Cooperativa. Cumpre ao Comitê assegurar-se de que o Crédito seja oportuno, suficiente e adequado.

Comitê de Risco

O Comitê de Riscos tem como objetivo dar assistência ao Conselho de Administração quanto ao assunto “riscos”, coordenando e supervisionando o sistema de gestão integrada de riscos na Castrolanda, através de identificação, avaliação, priorização e controle dos riscos de maneira coordenada a fim de eliminar ou minimizar seus possíveis impactos negativos e contribuir para o alcance dos objetivos (estratégicos e dos processos).

Comitês Setoriais

Os comitês setoriais são formados exclusivamente por associados e serão subdivididos em tantos comitês setoriais quantas forem as atividades socioeconômicas determinadas pelo conselho de administração, não possuindo qualquer poder de gestão ou deliberação administrativa. (Estatuto: Cap VII – Art 55 - $ 1º) Art. 2.º - A atuação dos Comitês da Cooperativa Agropecuária Castrolanda reger-se-á pelo disposto nos Arts. 55 a 58, do Estatuto Social.

Comitê de Agricultores

Sem prejuízo do disposto nos Arts. 56 e 57, do Estatuto Social, o Comitê deverá representar os interesses dos produtores agrícolas, exceto quanto a cultura de batata que dispõe de estrutura independente na Cooperativa, desde orientações gerais sobre a programação e retirada de insumos, qualidade dos insumos e dos grãos produzidos, assim como dos serviços prestados de recepção, secagem e armazenagem, rastreabilidade e certificação, assistência técnica, representação dos direitos classistas, observância ao correto atendimento à legislação pertinente, gestão da propriedade rural, avaliação de quadros orçamentários, medidas de redução do custo de produção e de melhoria da qualidade dos serviços terceirizados e tudo mais de interesse do produtor agrícola, inclusive as políticas de comercialização e de investimentos do Setor; (Regimento Interno)

Comitê de Bovinocultores

Sem prejuízo do disposto nos Arts. 56 e 57, do Estatuto Social, o Comitê deverá representar os interesses dos produtores de leite, no que tange a qualidade do leite e do plantel, genética, sanidade, rastreabilidade e certificação, assistência técnica, nutrição, representação dos direitos classistas, observância ao correto atendimento à legislação pertinente, gestão da propriedade rural, avaliação de quadros orçamentários, medidas de redução do custo de produção e de melhoria da qualidade dos serviços terceirizados e tudo mais de interesse do produtor de leite, excetuando-se as políticas de comercialização e logística de captação do leite que são assuntos de deliberação no âmbito do Comitê do Pool de Leite ABC;

Comitê de Suinocultores

Sem prejuízo do disposto nos Arts. 56 e 57, do Estatuto Social, o Comitê deverá representar os interesses dos produtores de suínos, no que tange a qualidade da carne e do plantel, genética, sanidade, rastreabilidade e certificação, assistência técnica, nutrição, representação dos direitos classistas, observância ao correto atendimento à legislação pertinente, gestão da propriedade rural, avaliação de quadros orçamentários, medidas de redução do custo de produção e de melhoria da qualidade dos serviços terceirizados e tudo mais de interesse do produtor de suínos, inclusive as políticas de comercialização, de pagamento aos produtores e de coleta nas propriedades;

Comitê de Ovinocultores

O Comitê de Ovinocultores deverá representar os interesses dos produtores de ovinos, no que tange a qualidade da carne e do plantel, nutrição, reprodução, genética, sanidade, rastreabilidade, assistência técnica, controle zootécnico, gestão da propriedade rural, representação dos direitos classistas, observância ao correto atendimento à legislação pertinente, avaliação de quadros orçamentários, medidas de redução do custo de produção e tudo mais de interesse do produtor de ovinos, como apoio ao fomento da atividade no campo, inclusive as políticas para viabilidade do aumento do abate e processamento em unidade própria.

Comitê de Bataticultores - UBBS

Sem prejuízo do disposto nos Arts. 56 e 57, do Estatuto Social, o Comitê deverá representar os interesses dos produtores de batatas, desde orientações gerais sobre a programação e retirada de insumos, qualidade dos insumos e dos grãos produzidos, assim como dos serviços prestados de recepção, classificação e armazenagem, rastreabilidade e certificação, assistência técnica, representação dos direitos classistas, observância ao correto atendimento à legislação pertinente, gestão da propriedade rural, avaliação de quadros orçamentários, medidas de redução do custo de produção e de melhoria da qualidade dos serviços terceirizados e tudo mais de interesse do produtor de batatas, inclusive as políticas de comercialização e de investimentos do Setor;

Comitê de Bataticultores - UBF

Sem prejuízo do disposto nos Arts. 56 e 57, do Estatuto Social, o Comitê deverá representar os interesses da indústria, no que tange a qualidade da matéria-prima e do produto final, indicadores de performance da fábrica, representação dos direitos classistas, observância ao correto atendimento à legislação pertinente, logística de entrada e saída, avaliação de quadros orçamentários e dos novos investimentos, avaliação do nível de satisfação dos clientes e políticas de comercialização do produto acabado;

Comitê de Bataticultores - ULB

Sem prejuízo do disposto nos Arts. 56 e 57, do Estatuto Social, o Comitê deverá representar os interesses da indústria, no que tange a qualidade da matéria-prima e do produto final, indicadores de performance da fábrica, representação dos direitos classistas, observância ao correto atendimento à legislação pertinente, logística de entrada e saída, avaliação de quadros orçamentários e dos novos investimentos, avaliação do nível de satisfação dos clientes e políticas de comercialização do produto acabado;

Comitê Unidade Industrial de Carnes - Alegra

Sem prejuízo do disposto nos Arts. 56 e 57, do Estatuto Social, o Comitê deverá representar os interesses da indústria, no que tange a qualidade da matéria-prima e do produto final, indicadores de performance da fábrica, representação dos direitos classistas, observância ao correto atendimento à legislação pertinente, logística de entrada e saída, avaliação de quadros orçamentários e dos novos investimentos, avaliação do nível de satisfação dos clientes e políticas de comercialização do produto acabado;

Peter Greidanus - Castrolanda
Seung Hyun Lee - Castrolanda
Wilant van den Boogaard - Frísia
Mario Dykstra - Frísia
Erik Bosch - Capal
Adilson Roberto Fuga - Capal
Matthias Rainer Tigges

Comitê das Unidades Lácteas

O Comitê das Indústrias Lácteas, é um Grupo Consultivo ligado diretamente as Diretorias das Cooperativas da UNIUM, tendo como membros, produtores de Leite, Diretores e Gestores, os quais realizam o acompanhamento da Gestão das indústrias e dos demonstrativos mensais de resultados.

Armando de Paula Carvalho Filho - Castrolanda
Teunis Jan Groenwold - Castrolanda
Seung Hyun Lee - Castrolanda
Mario Dikjstra - Frísia
Jan Van der Vinne - Frísia
Marinus Teunis Hagen Filho - Capal
Adilson Roberto Fuga - Capal
Edmilton Aguiar Lemos

Comitê Pool de Leite

Sem prejuízo do disposto nos Arts. 56 e 57, do Estatuto Social, o Comitê deverá representar os interesses da indústria, no que tange a qualidade da matéria-prima e do produto final, indicadores de performance da fábrica, representação dos direitos classistas, observância ao correto atendimento à legislação pertinente, logística de entrada e saída, avaliação de quadros orçamentários e dos novos investimentos, avaliação do nível de satisfação dos clientes e políticas de comercialização do produto acabado;

Armando de Paula Carvalho Filho - Castrolanda
João Galvão Prestes - Castrolanda
Eduardo Marquese Ribas - Castrolanda
Raphael Cornélis Hoogerheide - Frísia
Janus Katsman - Frísia
Ricardo Josué Cogo - Frísia
Adriaan Frederik Kok - Capal
Richard Verburg - Capal
Lourenço Teixeira - Capal
Roberto Caldeira - Capal

Comitê Misto - Indústria Moinho de Trigo

O Comitê Misto - Indústria Moinho de Trigo, é um Grupo Consultivo ligado diretamente as Diretorias das Cooperativas da UNIUM, tendo como membros, produtores, Diretores e Gestores, os quais realizam o acompanhamento da Gestão da indústria e dos demonstrativos mensais de resultados.

Albert Reinder Barkema - Castrolanda
Seung Hyun Lee - Castrolanda
Geraldo Slob- Frísia
Erik Bosch - Capal
Adilson Roberto Fuga - Capal

Estefano Stemmer Jr